Nova Zelândia

Road Trip na Nova Zelândia

Em Setembro de 2018, nós fizemos a viagem das nossas vidas. Uma viagem que foi planejada há muito tempo e com muito esforço conseguimos tirar os planos do papel. Queríamos conhecer a Nova Zelândia da maneira que a gente mais gosta de viajar: dirigindo uma Campervan.

Nova Zelândia é um país que pertence à Oceania, no sudoeste do Oceano Pacífico, formado por duas massas de terra principais e por numerosas ilhas menores, sendo as mais notáveis as ilhas Stewart e Chatham, mais conhecidas como North e South Island. O nome indígena na língua Maori para a Nova Zelândia é Aotearoa , normalmente traduzido como “A Terra da Grande Nuvem Branca”. Com uma população de pouco menos de 5 milhões de habitantes, a Nova Zelândia é um país rico em belezas naturais e história, o que faz dele um dos destinos preferidos de viajantes pelo mundo. Com a gente não foi diferente.
Desde que chegamos na Austrália a Nova Zelândia estava em nossos planos de viagem, mas a gente sempre adiava por um motivo ou outro. Até que chegamos a conclusão que essa viagem dos sonhos teria que sair do papel!
 
 

Planejamento da viagem

 
O planejamento foi a parte mais importante da nossa viagem. Primeiro definimos o orçamento e quando iríamos viajar. Viajamos nas férias escolares do Lucas (Pra quem não sabe, o Lucas estuda Hospitality aqui na Austrália), que é o único período que podemos nos ausentar por mais de uma semana. Nós tínhamos então 10 dias pra fazer a viagem.
Depois de definir a data e o orçamento, a gente decidiu que a viagem seria uma Road Trip e que iríamos alugar uma Campervan pra ser nossa casa e carro durante esse período. Nós já fizemos uma Road Trip pela Austrália e simplesmente amamos esse estilo de viajar. Alugamos a Campervan através de uma empresa Brasileira que faz a intermediação de locação de Motorhomes e Campervans pelo mundo, a Motorhome Trips. Aliás, se você tem interesse em fazer uma viagem como essa, entra em contato com eles pra fazer um orçamento ou tirar alguma dúvida. O atendimento e suporte é feito totalmente em português.
Com a Campervan já alugada, fizemos o roteiro. Mas antes, existem algumas coisas importantes que descobrimos e que você precisa saber sobre viajar pela Nova Zelândia de carro (ou Campervan no caso rsrs).
 
 

Dirigindo na Nova Zelândia

 
Assim como na Austrália, na Nova Zelândia existe a mão inglesa, ou seja, é tudo ao contrário rs. Se você já está aqui na Austrália não vai ser um desafio, mas se você nunca dirigiu do outro lado, fique bem atento pra não passar perrengue. O limite de velocidade nas estradas Kiwis é de 100km/h, então não passe dessa velocidade porque a galera fica de olho.

Outro detalhe muito importante, principalmente se você vai viajar no inverno, é verificar as condições do tempo. Chega a nevar em várias regiões, principalmente na Ilha Sul, então o mais importante ao alugar seu carro ou motorhome é alugar um kit de correntes para as rodas. Dependendo do dia, você será obrigado a colocar essas correntes ou carregá-las. Caso contrário não pode dirigir na estrada afetada. Muitas estradas da Nova Zelândia são bem “selvagens” digamos assim, ou seja, as condições climáticas podem fechar algumas estradas pelo caminho. Tivemos um problema na estrada que leva até Milford Sound por exemplo. Houve uma avalanche no dia anterior e a estrada ficou fechada por mais de 24hs, atrasando todo nosso planejamento. (Calma que eu vou explicar com mais detalhes mais pra frente.. rs) Outro exemplo foi de uma estrada onde a Campervan não passava com segurança devido à formação de vários creeks, que são córregos de água que nesse caso era água de geleiras que estavam derretendo.

Antes de fazer o roteiro, se informe das condições das estradas. Nós fizemos isso e no nosso caso não tinha o que fazer, mas é sempre bom pesquisar pra não ter surpresas desagradáveis durante a viagem.
 
 

Roteiro da nossa viagem pela Nova Zelândia

 
Sem mais delongas, a parte mais importante do seu planejamento é o roteiro. Eu pesquisei muito antes de fechar esse roteiro e depois da viagem cheguei a conclusão que 10 dias não foram suficientes para tanto lugar lindo que queríamos visitar…. rsrs Mas como não tínhamos outra opção, fomos assim mesmo. Mesmo corrido, conseguimos visitar todos os lugares que nos planejamos e não nos arrependemos de nada.
 
 

Dia 1: Retirada da Van em Christchurch

 
Nosso vôo chegou por volta de 13hs em Christchurch, então nós resolvemos pegar a van, conhecer um pouquinho da cidade e depois ir pro camping descansar pra seguir viagem no dia seguinte.

Chegamos na primavera em Christchurch, então fomos direto ver as árvores de Cherry Blossom no Hagley Park que haviam acabado de florescer… conseguimos ver essas Blossoms em várias partes da cidade. Lindo de viver!
 
 

As lindas Blossoms florescendo na primavera Kiwi 🙂


 
 

Ficamos no North South Holiday Park, um camping que fica bem perto do Aeroporto. O camping tem uma estrutura legal com cozinha, banheiros, barbecue e sites com eletricidade, que era exatamente o que a gente precisava.
 
 

Dia 2: Christchurch até Lake Tekapo

 
Acordamos cedo pois queríamos curtir o dia inteirinho e como estava sol, o dia estava maravilhoso. Saímos do camping e começamos a viagem até Lake Tekapo. Foram mais ou menos 260km e nosso primeiro contato com as estradas kiwis foi incrível!

 
 

Um dos trechos da estrada entre Christchurch e Lake Tekapo


 
 

Nossa primeira parada foi em uma cidade chamada Geraldine. Sabe aquelas cidadezinhas que você só vê em filmes e parece de mentira? Geraldine é assim. Tem um clima muito de interior e as pessoas que moram lá são muito amigáveis.

Paramos na Talbot Forest Cheese Shop, uma fábrica de queijos que oferece degustação de graça… Já imaginam como a gente ficou né? São dezenas de tipo de queijo saborizados e curados… Foi delicioso!

De lá seguimos até Lake Tekapo. O município se destaca por causa do extraordinário lago azul-turquesa banhado pelas montanhas dos Alpes do Sul. A cor da água do lago se dá devido a farinha de rocha refinada (terra proveniente de geleiras), que fica suspensa na água.

 

 

As águas cristalinas e azuis do Lake Tekapo

 

 

Às margens do lago fica a bela Church of the Good Shepherd, de onde é possível ter uma vista perfeita do Mount Cook através dos vitrais do altar. A igreja foi construída em 1935 para as famílias pioneiras do distrito de Mackenzie, e é estrategicamente posicionada pra proporcionar aos visitantes a foto perfeita! Nós amamos!
 
 

Esse lugar tem um visual incrível!!!


 
 

Nosso camping foi o Lake Tekapo Holiday Park que fica bem em frente ao lago. Nosso site tinha uma vista maravilhosa, então passamos o resto do dia por lá. Esse camping também tem uma estrutura incrível com cozinha, banheiros, churrasqueira e uma mesa de picnic em cada site! Super fofo.
 
 

Dia 3: Lake Tekapo até Mount Cook

 
Sem dúvida, essa foi uma das estradas mais lindas que pegamos na Nova Zelândia! (calma que a mais linda ainda está por vir! hahaha). Pouco mais de 80km separam Lake Tekapo do Mount Cook National Park, e cada km valia uma foto! Fizemos a viagem em pouco mais de duas horas, pois era impossível não parar pelo caminho para apreciar a vista.

 
 

Parece Pintura né? Mas é real! Maravilhoso! 🙂


 
 

O objetivo do dia era fazer a Hooker Valley Track, a mais famosa trilha do Mount Cook National Park. O lugar tem uma estrutura incrível com estacionamento e até um camping que você pode passar a noite. Deixamos a van lá e começamos a caminhada. Mal sabíamos que estávamos prestes a ver os cenários mais incríveis das nossas vidas!
 
 

Hooker Valley Track


 
 

São 10km ida e volta, com a duração média de 3 horas (teoricamente). A trilha tem uma estrutura ótima e pode ser feita facilmente por qualquer pessoa. No nosso caso, demoramos por volta de 5 horas para completar os 10km. Impossível não parar em cada cantinho pra tirar uma foto ou apreciar a paisagem. Essa trilha é um must do pra quem faz essa viagem.

No final da trilha somos presenteados com essa vista maravilhosa do Mount Cook às margens do Hooker Lake. Inesquecível!
 
 

Alguns pedaços de gelo no Hooker Lake

 

 

Mount Cook e o Hooker Laker… Incrível!

 

 

Dormimos em um camping que fica a mais ou menos 40min do National Park, chamado Glentanner Holiday Park . O camping tem uma estrutura boa apresar da distância da civilização.
 
 

Dia 4: Mount Cook até Queenstown

 
Saindo de Glentanner, pegamos a estrada em direção a Queenstown. A estrada é maravilhosa, com vários pontos de parada pra foto. Como tínhamos que chegar logo em Queenstown, não tivemos muito tempo para parar.

Queenstown era um dos lugares que a gente mais queria conhecer, então a expectativa era bem grande. Como estávamos no final do mês de Setembro e a temporada de neve nas montanhas estava quase acabando, tínhamos que correr para conseguir pegar neve, era um dos dias mais esperados da viagem. Chegamos na cidade e fomos direto para o “The Remarkables” uma das estações de Ski mais famosas de Queenstown. Tem até um café e restaurante lá em cima.

A estrada até o topo é acessível a todos os tipo de veículos, (Nós subimos com a van sem problemas), mas é importante sempre levar correntes para os pneus (é obrigatório durante a temporada, senão você não sobe! A gente nunca sabe quando o tempo pode mudar). Essas correntes normalmente são fornecidas pelas empresas que alugam o motorhome. A nossa estava inclusa no preço. Elas são fundamentais pra que o o carro ou o motorhome não escorregue caso a pista esteja com gelo ou neve.

Chegando lá em cima ficamos encantados com a neve! Foi a primeira vez que tivemos esse contato com a neve mais “fofinha e fresquinha”. Como chegamos lá um pouco tarde e não teríamos tempo de voltar outro dia, optamos por não alugar os equipamentos de Ski e Snow Board, então resolvemos fazer um Sightseeing no valor de NZ$ 30,00 pra cada um. Teríamos direito a subir a montanha naquelas cadeirinhas de teleférico e chegar até o topo pra ter a vista mais incrível das nossas vidas! Valeu cada centavo. Ficamos lá por aproximadamente 2 horas e pudemos ter a experiência real com neve. Foi incrível! Super recomendo.

 

 

A vista mais linda da viagem inteira!

 

 

The Remarkables

 
 

Depois da montanha, fomos pro Camping, que ficava extremamente bem localizado, bem pertinho do centro da cidade. Como íamos ficar duas noites por lá, escolhemos o Queenstown Lakeview Holiday Park que tem a localização perfeita pra quem quer curtir o centro da cidade sem ter que tirar a Van do Camping. Tem uma estrutura excelente e foi um dos melhores campings que ficamos em toda a viagem.
 
 

Dia 5: Queenstown

 
A cidade de Queenstown dispensa qualquer introdução. É um lugar incrível! Uma cidade cheia de estrutura, cheia de gente e ao mesmo tempo tem um clima de cidade do interior. É rodeada por montanhas com neve e pelo Lake Wakatipo, cuja beleza é indescritível. A cidade tem uma vida noturna intensa e é impossível não se apaixonar por ela! Ficamos encantados.

 
 

Pier de Queenstown


 
 

Aproveitamos o dia para conhecer duas cidadezinhas próximas a Queenstown que são Arrowtown e Glenorchy. Glenorchy fica localizada ao norte do Lake Wakatipu, a mais ou menos 45 minutos do centro de Queenstown. A região ficou bem famosa depois que foi locação para cenários dos filmes do Senhor dos Anéis. Só a estrada até lá nos encantou de uma tal maneira que eu nem sei explicar!

Chegando lá, parecia que estávamos em um filme! (juro!!). Aquela cidadezinha pequena rodeada de verde e de montanhas gigantescas com um pier e uma casinha de madeira. Surreal! Nem a chuva conseguiu estragar nosso passeio. Foi incrível!

 

 

Parece cidade de mentira de tão bonitinha!

 

 

Parece cena de filme!

 

 

De lá seguimos para Arrowtown, uma cidade histórica dessa região da Nova Zelândia que teve uma importância muito grande para a área de mineração do país. Outra cidadezinha encantadora, com suas casinhas de filme e centrinho da cidade acolhedor.

Terminamos a noite na badalada cidade de Queenstown e comemos um dos Burgers mais gostosos da vida no Fergburger Gente, sério.. melhor hamburger da vida! Vocês precisam comer nesse lugar caso visitem Queenstown. As filas são gigantescas mas vale cada minuto de espera pra se deliciar com tudo la! Nota mil!

 
 

Dia 6: Queenstown até Te Anau (Milford Sound)

 

Nosso último dia em Queenstown foi de muita chuva! Mas muita chuva mesmo! Só conseguimos sair da van pra curtir um pouquinho depois das 13hs. Como tínhamos que sair do Camping fomos para o Queenstown Gardens,
um lugar muito lindo, repleto de flores e verde.

 
 

Queenstown Gardens

 

 

Depois disso, seguimos pro centro da cidade pra dar mais uma voltinha e se despedir daquela que (até então) era nossa cidade favorita na Nova Zelândia. Quando finalmente a chuva parou, todo mundo saiu de casa e foi pro centrinho pra provar que Queenstown é realmente a cidade mais incrível desse país.

 

 

Vista do centro da cidade de Queenstown

 
 

Seguimos viagem até Te Anau, a cidade mais próxima do famoso Fiordland National Park, que era nosso destino do dia seguinte,  e foi onde nós passamos a noite. Ficamos no camping Te Anau Kiwi Holiday Park .

 
 

Dia 7: Milford Sound até Wanaka

 

Milford Sound é o fiorde mais visitado da Nova Zelândia e foi considerado a oitava maravilha do mundo. Fechamos o passeio através da Jucy Cruise que foi o melhor custo benefício pra gente. Milford Sound fica localizado a 4 horas de Queenstown e 2 horas de Te Anau e você pode optar por ir dirigindo ou através de um ônibus que te leva até lá e depois te trás de volta. Optamos por dirigir porque gostamos de fazer tudo a nosso tempo, e a estrada que leva até o fiorde é incrível. Então queríamos ter mais tempo pra conhecer cada cantinho do lugar. Marcamos o cruzeiro da manhã, que começava ás 8:45 então saímos bem cedo de Te Anau em direção ao Fiordland National Park. Mas, não contávamos com o fechamento da estrada. No dia anterior, houve uma avalanche e a estrada ficou fechada. A previsão era que ela abrisse depois das 10 da manhã, mas tínhamos esperança que pudesse abrir antes. Então nós resolvemos arriscar e ficar esperando pra não perder mais tempo. Mas, chegamos lá e a estrada ainda estava fechada.

DICA DE OURO: Se você está pensando em ir dirigindo pra Milford Sound ou rodar em qualquer estrada da Nova Zelândia, acesse esse site do Departamento de Estradas do País. Lá você consegue consultar as condições da Milford Road (Estrada que liga Te Anau até Milford Sound) e várias outras estradas da região. Como a gente já tinha marcado o passeio e não tínhamos como voltar outro dia, perdemos um tempão esperando a estrada abrir, o que atrapalhou bastante o nosso itinerário do dia.

Mas, depois que a estrada foi liberada, nós vimos o cenário mais incrível dessa viagem. A estrada é muito maravilhosa! Montanhas gigantescas, gelo, neve, cachoeiras… É um lugar surreal! Valeu a pena cada segundo que ficamos esperando lá.

 
 

A estrada que liga Te Anau a Milford Sound

 

 

Milford Sound é um dos lugares que mais chove no mundo, então a formação de cachoeiras tanto no fiorde quanto na estrada é bem comum. Por isso a estrada é tão perigosa. Chegamos lá com 3 horas de atraso e fizemos o passeio por volta do meio dia.

 
 

Valeu a pena toda a espera


 
 

O passeio tem duração de aproximadamente 1:30h e o barco te leva até os pontos mais importantes do fiorde, te mostra as cachoeiras de perto, (demos sorte pois estava chovendo muito naquela semana, então as cachoeiras estavam bem cheias de água). Foi incrível!

 
 

É uma grandiosidade que nos deixou sem palavras!

 

 

Uma das diversas cachoeiras que vimos pelo caminho. Incrível!

 
 

A viagem de volta foi bem cansativa e longa. Isso porque resolvemos parar pelo caminho para aproveitar o que restou do nosso dia no Fiordland National Park. A gente não se arrependeu. Que lugar mágico!

 

 

Cada curva mostrava um lugar mais lindo do que o outro!


 
 

Chegamos em Wanaka por volta de 22:30hs e estávamos exaustos. Ficamos no Camping Wanaka Lakeview Holiday Park que tem uma estrutura muito legal e localização ótima também!

 
 

Dia 8: Wanaka

 

Que cidade linda! Wanaka foi a nossa cidade favorita da Nova Zelândia! Nós amamos cidade pequena e Wanaka simplesmente tem tudo que a gente mais gostou na NZ. Montanhas enormes com neve, um lago maravilhoso, várias trilhas pra fazer e um centrinho cheio de bares e restaurantes. A cidade é realmente acolhedora e tem um charme muito especial. Adoramos esse lugar. Logo que acordamos, fomos visitar a famosa árvore de Wanaka, que curiosamente cresceu no meio do lago.

 
 

That Wanaka Tree


 
 

Tínhamos em mente fazer uma trilha na cidade. A mais famosa delas é a Roy’s Peak, mas infelizmente ela fecha todos os anos de 01/10 até 10/11. Chegamos lá no dia 02/10. Seguimos com o plano de fazer uma trilha e chegamos até o Mount Aspiring National Park, onde a gente pode fazer várias trilhas e até ver um glaciar. Mas fomos pegos de surpresa novamente com a condição da estrada. A estrada não é asfaltada e é cortada por vários “creeks”, que são correntes de água que caem das geleiras ou em dias de chuva. O tempo não estava muito confiável e se chovesse, a situação desses creeks ficaria ainda pior. Como estávamos com a Campervan, que é um veículo baixo e nada adequado pra esse tipo de travessia, ficamos com medo de avançar na estrada e passamos a tarde em um lugar lindo no meio do National Park. Não foi nada mau.

 
 

Lugar mágico! Parece uma pintura!

 

 

Mount Aspiring National Park


 
 

O dia se encerrou em um bar na beira do lago com um chopp delicioso e um clima de calor mais ameno. Já não estávamos sentindo tanto frio.

 
 

Cheers

 
 

Dia 9: Wanaka até Christchurch

 

E chegou o dia de fazer a viagem de volta. Decidimos não fazer a West Coast Road Trip (A viagem pela costa leste do país) que nos tomaria muito tempo e seria bem desgastante, já que teríamos que devolver a van no dia seguinte. Resolvemos fazer todo o caminho de volta até Christchurch pra dormir lá e devolver a van no outro dia. Então, um trajeto que seria feito em 5 horas sem parar, virou 10 horas com paradas incríveis pelo caminho.

Paramos novamente no Lake Tekapo pra almoçar, paramos próximo ao Mount Cook, na parte que mais gostamos da viagem, paramos na cidade de Omarama pra tomar um café… Foi um daqueles dias de estrada que vai ficar na memória pra sempre.

Dormimos no mesmo camping onde passamos a primeira noite. Ele é bem pertinho da estrada e tinha uma estrutura muito legal pra gente começar a arrumação das coisas no dia seguinte.

 
 

Dia 10: Dia de devolver a Van em Christchurch 🙁

 

Quando você aluga um motorhome ou uma Campervan, você pode optar por pagar para a empresa cuidar da limpeza ou você mesmo pode fazer isso. Nós escolhemos limpar nós mesmos e acabamos economizando por volta de NZ$ 80,00. Tiramos a manhã pra guardar todas as coisas nas malas e limpar a van e valeu a pena. Devolvemos a Campervan limpinha e não tivemos que pagar nada mais por isso.

Como ainda tínhamos uma tarde pra conhecer a cidade de Christchurch, fomos passear pelo Jardim Botânico e pelo centro. A cidade parece um canteiro de obras, isso porque um terremoto quase destruiu a cidade em 2011 e até hoje eles estão tentando se re-erguer. Apesar disso, a cidade é muito bonita e a gente adorou tudo que vimos por lá. É uma Nova Zelândia completamente diferente de Queenstown, mas também tem o seu charme.

Passamos a noite no Jucy Snooze, uma espécie de hostel muito bem arrumadinho e que fica praticamente dentro do Aeroporto de Christchurch.

 
 

Dia 11: Voltando pra Austrália

 

Nosso vôo saiu bem cedo de Christchurch e voltamos pra casa com uma sensação de quero mais.
A Nova Zelândia é um país incrível, tanto nas belezas naturais quanto na sua história e cultura. Eles não esquecem suas raízes e a cultura Maori está bem presente por todo país. Essa foi a viagem das nossas vidas por esses e outros motivos. Aprendemos muito durante esses 10 dias incríveis e com certeza vamos voltar pra explorar outras partes desse país tão magnifico.

 
 
 

Posts Relacionados

 
 
Road Trip na Austrália: de Sydney até Melbourne

Uma Vida de Sonho

5 coisas que aprendemos morando na Austrália